VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente

TIMOR LESTE 2018
Tinan foun moris foun!
TIMOR-LESTE


Interview with
Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name

 
 
   

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

“Constitucional Patriotism”: Tetu hikas no sukat to’ok eleição antecipada

-->
 Constitucional Patriotism”: Tetu hikas no sukat to’ok eleição antecipada

Martinho G. da Silva Gusmão
Hanorin filosofia politica, ética filosófica


Artigo ida ne’e mai ho ideia singular: labele monu lalais ba eleição antecipada! Partido Fretilin nahouk ona. Dom Basilio do Nascimento no Padre Dr. Júlio Crispim explica claro tiha ona – katak, dalan único atu resolve impasse politico ohin loron mak eleição antecipada. CNRT, PLP, KHUNTO ne’ebe forma AMP mos “hein de’it decisão” PR Lu-Olo nian, “hein buat di’ak, maibe pronto hasoru buat at”. PD mesak mak la concorda ho eleição antecipada, maibe se maioria (Fretilin, CNRT, PLP ho KHUNTO) houk ona, PD hakruk. Há’u nia posição katak – eleição antecipada ne’e péssima ideia (ide sangat buruk). Ho respeito tomak ba partido sira no belun clero, há’u hare husi filosofia – eleição antecipada ne’e “contra-senso”, “absurdo”.

Há’u sai comissario iha CNE, 2007-2013 – hakerek livro 4 no artigo/ paper 40 resin ba de’it assunto eleição. Buat ne’ebe há’u hatene katak eleição halo de’it ba PR no PN. Ne’e duni, wainhira Governo monu, katak, “demissão” ba Governo. La normal wainhira dehan kedas eleição! Maibe, wainhira PN “dissolve” mak bele halo eleição duni. Hau sei explica tuir buat ne’ebe há’u estuda no hatene durante tinan 6 nia laran ne’eba.

Hermenêutica legal ...  

Ohin loron ema hotu-hotu hare lisuk de’it mak ba artigo 106o KRDTL. Hau mos lakohi lakon. Hau le fila ba fila mai to’o dekor tiha. Maibe, explicação ne’ebe hau bele rona husi Bispo Baucau nian ho Padre Julio Crispim, hanesan possibilidade ida. Nune’e mos wainhira jurista, Dr. Manuel Tilman hato’o ... ohin ida, aban seluk. La hatene tan sa mak, iha fulan 3-4 nia laran ema mata-manas de’it ho artigo ida ne’e, no liu-liu patina iha liafuan “ou” de’it.

Hau la’os jurista, maibe kleur ona hanorin filosofia politica ho especialidade ida: Hermenêutica legal! Ne’e katak, hanorin estudante sira atu hare no tetu lei ka constituição husi artigo ida hodi nakdaet ba artigo seluk.

Wainhira ita hare didi’ak, afinal artigo 106o ba deit “Nomeação” primeiro ministro. Ninia hanoin ida de’it: PM. Hau la hare didi’ak, tan sa mak ema barak halo ulun moras to’o kedas “governo minoria” no “oposição maioria”, depois mosu to’o “aliança maioria parlamentar 2”.  Foti tiha nia, Primeiro Ministro halo proposta ba Presidente da Republica atu nomea Ministro sira. Hotu ona iha ne’e.

Importante atu ita hatene, PR hili ema ida atu sai PM hare ba ninia governabilidade – katak, nia bele kaer governo ne’e ho diak no ho qualidade. Iha ne’e factor ne’ebe determinante mak PR “ouvidos os partidos políticos representados no Parlamento Nacional” – “rona hotu partido politico sira ne’ebe iha ninia representante iha PN” (hau nia tradução). Iha caso agora, PR rona partido-Fretilin, depois CNRT no PLP, PD ho KHUNTO. Tuir logica constitucional, Dr. Mari Alkatiri sai PM tan partido 5 nahouk hotu. Pelo menos, partido 4: Fretilin, PLP, PD no KHUNTO. Partido CNRT hili uluk ona dalan atu sai oposição. Ne’e duni, fou-foun há’u hanoin katak nomeação ba Dr. Mari Alkatiri tuir ona dalan constitucional.

Maibe, hau surpresa tebes ho declaração PM Alkatiri nian, katak, nia simu knar ne’e tan Bispo Basilio do Nascimento mak husu ka “fo apoio”, no liu-liu ninia “compadre” Xanana Gusmão mos simu hotu! Ikus mai, “compadre” 2 monu tama iha conflito nia laran tan “comadre” sira tama klaran. Kama mos tohar! Kala nune’e mak wainhira Dr. Manuel Tilman no Dr. Julio Crispim koko atu hadi’ak kama ain-tohar ne’e, sira 2 haluha tiha atu suku mos lipa nakles.

Nune’e, ita hare problema la’os ona iha artigo 106o: governo maioria ka minoria. Hun no abut mak “compadre” ho “comadre”! Filosofo politico husi Harvard, John Rawls dehan, “... justice as fairness ... constitucional democracy .... so far as possible, independent of controversial philosophical and religious doctrines”. Atu bele hatur justisa lolos tuir nia fatin, democracia constitucional, bele karik, hases tiha husi controvérsia filosófica no doutrina religião nian: Bispo, padre, compadre no comadre.

Wainhira mosu conflito, hau nia maluk balun husi Comunidade Islâmica Timor-Leste hakerek iha facebook, katak, di’ak liu Alkatiri lalika sai PM wainhira ema la considera nia, hatun ema Islam nia honra ka dignidade. Fila mai, tan “umat Islam” tane metin nafatin nia. Liu tiha horas balun, posting ne’e lakon tiha ona. Kala ita nia maun-alin sira hanoin katak Mari Alkatiri sai PM atu tane sae Islam. Sira mos hanoin katak sai PM ne’e depende ba doutrina religião Islam nian (ne’e mentalidade Indonesia nian).

Situação sai complicado wainhira “oan sarani” sira (Fretilin, CNRT, PLP, PD no KHUNTO) iha PN la hatene saída mak “padrinho” ho “madrinha” cumbina malu ho bispo, padre no ustad ho pastor sira. Kasian, “oan sarani” sira la hetan orientação didi’ak mak ninia resultado sai rungu-ranga hotu, liu-liu “ampao” la iha ba festa Natal nian.

Ba há’u, saída mak Dr. Mari Alkatiri explica iha televisão, hatudu ona katak nomeação ba PM ne’e complicado husi inicio kedas! Há’u nia pergunta: se “compadre” José Alexandre Gusmão nahouk atu “compadre” Mari Alkatiri sai PM, tan sa mak Presidente partido CNRT Kay Rala Xanana Gusmão la suporta? Ho “compadre” na’in 2 ne’e ninia problema, tan sa mak CNRT no Fretilin tenki fera ulun hamutuk ho bispo no padre Julio Crispim atu justifica eleição antecipada?

Hau la hetan resposta husi artigo 106o KRDTL. Iha livro Tractatus Logico-Philosophicus nia laran, Ludwig Wittgenstein (filosofo) dehan “§ 7: Wovon man nicht sprechen kann, darüber muss man schweigen” (wainhira ema la iha liafuan atu ko’alia, iha biban ne’e nia nonok tiha). Atu dehan, wainhira artigo 106o la dehan buat ida konaba ba eleição antecipada, ema labele rakalele tun sae atu rakatiki tiha PM. Artigo 106o ne’e bele hakawe ho artigo 85o alínea d); ka 86o alinea h).

Maibe, se governo compadre Alkatiri nian monu duni karik? Ne’e fohin mak to’o iha Demissão do Governo (artigo 112o n. 1, 2). Sasukat la to’o atu halo eleição antecipada. Ita ba halo to’ok leitura critica hermenêutica legal ba artigo ide ne’e:
1)   Implicam a demissão do Governo - kona-da’et ba governo ida atu hakotu ninia knar:
a)    O inicio da nova legislatura. Hahu legislatura foun. Ida ne’e normal, wainhira eleição 2017 hili ona deputado foun, VI Governo hotu ona. Labele ona assina tan projecto! Erro ne’ebe VI Governo halo mak, dehan hela semana 2 de’it ona, sistema taka hotu ona mos nakdedar fahe lalais projecto, nune’e VII Governo mak ulun moras. Hanesan los iha 2007, Governo no PN (Fretilin) nakdedar hakarak aprova lalais Lei Pensão Vitalicia (LPV), maibe AMP (CNRT, PD, ASDT/PSD) la ulun moras tan hotu-hotu “turut menikmati”.
b)   A aceitação pelo Presidente da Republica do pedido de demissão apresentado pelo Primeiro Ministro. Hanesan iha 2014, Kay Rala Xanana Gusmão husu atu PR hakotu PM ninia knaar no fo hikas fali ba Rui Maria Araújo. Tuir lolos PD no FM halo boikot ba decisao ne’e, tan CNRT la hili husi ninia coligação maibe ba hili fali oposição (partido Fretilin). Ida ne’e exemplo ida, katak, Fretilin suporta governabilidade “minoria” ho voto coitado! La iha eleição antecipada. PM Gusmão mak kala isin baruk ona be entrega fali ba PM foun. Ida seluk, iha 2006 wainhira PR Xanana husu PM Alkatiri atu resigna husi ninia knar. La iha eleição antecipada! Tan Fretilin sei bele assegura “single majority” ida.
c)   A morte ou impossibilidade física permanente do Primeiro Ministro. Wainhira PM mate ka hetan desastre ruma nebe halo nia labele ona bok-an tun sae. PM mate ka tun, governo mos hotu. La iha eleição antecipada.
d)   A rejeição do programa do Governo pela segunda vez consecutiva. Katak, wainhira programa ne’ebe PM hatoo ba PN hasoru ona “rejeição” ka “penolakan” dala rua tui-tuir malu (hare mos artigo 108o; 109o KRDTL). Dehan de’it “segunda vez consecutiva”, maibe la dehan liu tiha loron 1 ka 2, 30 ka 60. Hanesan Dr. Mari Alkatiri dehan, tuir lolos oposição fo tiha moção dahuluk, fo tan kedas ba daruak iha loron ne’e kedas. Hau la’os jurista, maibe “prazo legal” bai-bain fo ida be máximo. 
e)    A não aprovação de um voto de confiança. Wainhira PN halo ona “rejeição”, PM Alkatiri bele husu “voto de confiança” (artigo 110o). Ne’e katak, Governo bele halo negociação didi’ak hodi husu hikas PN (liu-liu oposição) atu fo voto foun hodi bele hala’o ninia programa ne’ebe monu ona. Wainhira la hetan tan confiança, nune’e Governo demite. PM Alkatiri la husu, maibe ba kedas dehan “hau sei la mai dala rua tan iha PN”. Significa, Dr. Mari Alkatiri lakohi usa ninia direto constitucional nu’udar Chefe do Governo atu husu “voto de confiança”. Maibe, hau hare liu ida ne’e hanesan problema psicológico (bele mos metafisica; bele mos meta-ética), la’os politico. Hau hanoin, PM Alkatiri “de propósito” (sengaja) husik ninia governo chumba duni!
f)    A aprovação de uma moção de censura por uma maioria absoluta dos Deputados em efetividade de funções. Katak, PN halo “moção de censura” (artigo 111o), wainhira hare katak Governo la halo tuir ninia knar ona no programa la’o la los ona. Hau la compreende, matenek nain sira iha oposição AMP, governo sei hatoo hela programa no ladauk tan executa ninia governação, oinsa mak hato’o tiha “moção de rejeição” ba tuir kedas “moção de censura”? Kala, AMP hakarak duni halo PN naksobu tan sira hanoin uluk ona eleição antecipada, antecipadamente! Maibe atu fo exemplo di’ak liu mak wainhira V Governo fo ZEESM ba Mari Alkatiri, tuir lolos CNRT, PD no FM halo “moção de censura”. Basá, ZEESM la tama iha programa Governo nian. “Compadre” Xanana mak hakarak fo ba “compadre” Alkatiri. “Comadre” sira iha Dili mak lori ba monta iha Oe-Cusse. La hatene, tan sa mak CNRT, PD no FM la halo? Agora, wainhira Governo sedauk halo buat ida, CNRT mak iha ulun atu halo “moção de censura” ba Fretilin ho PD. Kabun makili, maibe laran mak sae fali! Ka hanesan uluk, PM Alkatiri no MNEC Ramos Horta assina Taci-Timor ba tinan 50, PN la halao “moção de censura”. Agora, deputado sira husi oposição AMP atu halo hasoru PPN, ne’e hanesan ema kaer tudik la’os atu ba ku’a na’an ka modo, maibe ba tesi ninia kakorok rasik. Ba hau, oposição AMP halo kanek-an de’it. Tuir lolos ne’e, PLP mak matenek liu, tan Taur Matan Ruak wainhira kaer knar nu’udar PR nia tahek Fretilin no CNRT ba caso sira ne’e.

2)   O Presidente da Republica só pode demitir o Primeiro-Ministro nos casos previstos no numero anterior e quando se mostre necessário para assegurar o normal funcionamento das instituições democráticas, ouvido o Conselho de Estado”. Katak, PR atu hatun PM, rona mos husi Conselho de Estado (artigo 91o). PR laos nahi tur nahi mehi ba hatun ona PM. Lae! Iha ninia dalan rasik. Dalan ne’e mos la badak, hanesan ita nia hanoin badak.

To’o iha artigo hirak ne’e hotu, ita hare de’it mak DEMISSÃO ba PM no Governo. Se Governo monu, la iha eleição antecipada. Tan, PM no Governo la’os POVO mak hili, maibe PR mak foti. Partido sira mak hili PM! Ne’e duni, tuir regra ka logica constitucional, PR rona hikas “Conselho de Estado” no foti processo foun. Katak, bolu hikas partido-Fretilin, CNRT, PLP, PD no KHUNTO atu tur hamutuk hodi hili PM foun. Githu aja kok repot?!

Keta haluha, Lei-Inan dehan PR “ouvido” (rona netik) partido sira no Conselho de Estado. Maibe, PR mak iha knar exclusivo atu hakotu lia. AMP lalika ona dehan sei lori PR ba processo “impeachment”. There is no way to go!

Maibe, eleição antecipada bele mosu, wainhira Parlamento Nacional monu! Buat ne’ebe há’u hare, AMP hamonu tiha ona PN molok hamonu Governo! Governo hamrik ona tan “compadre” 2 no bispo hamutuk ho PR hakotu ona lia, katak: bele! – “green light”. To’o iha PN laran mak “oan sarani” sira rungu-ranga dehan “minoria” ho “maioria”, alias, “padrinho-madrinha” mak fo “ampao” poder la hanesan! Nune’e mosu “red light” hela de’it iha PN.

Iha artigo 100o mak ko’alia konaba “Dissolução” ba PN. KRDTL hatur “O Parlamento Nacional não pode ser dissolvido nos seis meses posteriores à sua eleição...”; dehan katak liu tiha eleição foun ida, labele hamosu tan eleição seluk iha fulan 6 nia laran. Eleicao ida uluk monu iha Julho 2017. Labele halo eleição foun iha fulan 6 nia laran, katak, to’o Janeiro 2018 de’it mak ninia “prazo legal” moris! Nune’e mos wainhira iha PR nia mandato hela fulan 6 de’it ona, ka “Estado de sítio” ka “estado de emergência”, labele iha “dissolução”. Ne’e duni, wainhira PR haruka atu halo “dissolução” ba PN mak KRDTL 100o dehan “subsequentes eleições”. Ida ne’e mak ita ba hamutuk ho PM Alkatiri no Partido Fretilin kokotek no kokorek iha medsos konaba eleição antecipada. Liafuan “eleição antecipada” rasik la hakerek iha KRDTL, maibe “subsequentes eleições”. Iha sistema eleitoral mundo rai-klaran, “eleição antecipada” (early election; primary election) ne’e ba de’it nação sira ne’ebe tenki troka senadores ka deputados atu hakotu sira nia mandato no hili foun fali.

Pergunta boot: ho razão saída mak PR halo “dissolução” no haruka halo “subsequentes eleições” (= eleição antecipada)? Artigo 100o la dehan buat ida. Ita ba took artigo 86o alínea f); dehan knaar PR nian atu “Dissolver o Parlamento Nacional, em caso de grave (1) crise institucional que não permita a formação de governo ou (2) a aprovação do Orçamento Geral do Estado por um período superior a sessenta dias, com (3) audição prévia dos partidos políticos que nele tenham assento e (4) ouvido o Conselho de Estado, (5) sob pena de inexistência jurídica do ato de dissolução, tendo em conta o disposto no artigo 100o; (numero 1-5, hau mak tau atu fasilita leitura) .... dalan naruk no halo kolen. PR Lu-Olo la tur heneba, teki-teki ida rua tama ba ho “compadre” no “comadre” ba husu eleição antecipada! La iha!

KRDTL artigo 86o alínea f) ne’e todan oituan
1)   “... crise institucional que não permita a formação de governoPR tetu uluk lai crise institucional ne’ebe halo katak labele forma governo. PR lalika hare ba asneiras “compadre” sira, “oan sarani” ho “padrinho” sira. Na verdade, ko’alia momos karik ohin loron ita hasoru crise psicológico husi Xanana no Alkatiri, ne’ebe halo “instituição estado” sai tiha “U boot” husi “compadre” sira nian. Ne’e duni Taur Matan Ruak ko’alia loos, Xanana ho Alkatiri ne’e halo Estado sai tiha “família” nia custa. Partido Fretilin no CNRT ne’e sai tiha ona oligarquia Alkatiri no Xanana. PLP mak “comadre” karik. Depois KHUNTO sai “comadre” nia maluk? Hau sente, maun sarani no alin sarani sira iha CNRT, PLP no KHUNTO mak hakarak hadau lalais “ampao” (poder no projeto)! Ne’e duni, governo forma ona maibe asneiras no manhosa sira iha AMP mak halo natal ho ano novo ne’e sai rungu ranga tiha. Crise institucional ne’e mosu la’os KRDTL, maibe psicológico ka metafisica. Fou-foun, Fretilin hametin uluk tiha ona “alianca maioria parlamentar” (AMP): Fretilin, PLP, KHUNTO. Maibe, to’o dalan klaran, AMP mosu fali ho Fretilin, PD, KHUNTO. To’o hili PPN mak hela de’it ona Fretilin no PD. Iha sistema semi-presidencial, Fretilin no PD bele kaer nafatin Governo. Los duni, Governação Fretilin/PD nian hamosu problema governabilidade, tan suporta minoria iha PN.

Maibe, buat ne’ebe há’u hare oposição AMP halo “suicídio politico” (bunuh diri politik) tan husi sira nia “crise metapsicológica” (ansi, liman ain nakdedar, hamlaha ne’ebe transforma ba ‘sede do poder’; filosofo Nietzsche dehan “der Wille zur Macht” – the Will toward Might; la’os de’it “power”, maibe “might”) mak hamosu “crise institucional”: boikot buat barak iha PN; obviamente vota contra programa, lakohi participa iha reuniões comissões PN nian, lakohi halo programa atu visita eleitores, lakohi tama serviço (deputado senior sira falta hela de’it) to’o ikus mai husu destituição PPN, deputado balun CNRT nian koko atu “hadau lalais meja” PPN, too OGE no OR (“emergência”) mos chumba hotu. Agora, AMP rasik mak hanoin atu aprova lalais OR (“agonizante”); koko atu tama bebeik plenária, buka atu halo lei anticorrupção. Maibe kala Fretin no PD hanoin la biban ona, tan tempo atu executa mohu tiha ona! Ne’e duni, AMP hamout duni Koligasaun Fretilin-PD iha “crise institucional” nia laran atu bele atingi sira nia hanoin halakon “governabilidade”, maibe mos sei labele hamosu “formação do governo”.

PR bele foti decisão atu halo eleição antecipada. Maibe, há’u surpresa tan AMP mak lakohi fali halo eleição antecipada. Wainhira Deputado Fidelis Magalhães (PLP), Arão Noe (CNRT) no Luís Ribeiro (KHUNTO) halo declaração hamutuk no hato’o razão oi-oin, hau sente “estranho” (aneh). “Santíssima trindade” oposição AMP nian ne’e hanesan los “flu burung”, la’os ona manu-falur ne’ebe ne’ebe laran kmaus, maibe makerek! Sira hanoin de’it atu oinsa mak Governo monu lalais, maibe la sukat katak sira hotu namtate.

2)   “.... a aprovação do Orçamento Geral do Estado por um período superior a sessenta dias...”! Kala ida ne’e mak problema ne’ebe rasta malu la hotu rai. OR la liu. OGE mos intupido. PM Alkatiri la lori hikas OGE mai lalais. Nia hakarak atu halo iha 31 de Janeiro! Ne’e dok liu ona prazo “60 dias”. Agora oposição AMP koko atu halo manobra oinsa mak bele halo debate hikas ba OR (tan osan atu bele sustena makina estado nian mohu duni ona); ka, koko atu hatudu katak sira mak badinas liu iha PN laran. Loro-loron ita le facebook, ita mak sente moe fali. Ba há’u, iha aspecto ida ne’e AMP la sukat politica, maibe halo metafisica – “hakarak salva povo” maibe hare katak Fretilin-PD nia programa politico ho liafuan “irracional”, “inconsistência”, “la realista” no “ambicioso”. Maibe, aban-bainrua sira manan eleição antecipada, oinsa mak sira apresenta fali “irracional” ho “inconsistência” ne’e nu’udar “racional” no “consistente”?

3)   Maibe, keta haluha katak PR mos sei iha “... audição prévia dos partidos políticos que nele tenham assento ...”! Ne’e duni, liu tiha fulan 6 mak OGE la aprova nafatin, hafoin PR bolu partido hotu-hotu: Fretilin, CNRT, PLP, PD no KHUNTO atu rona sira nia hanoin lai. Be partido sira seluk ne’ebe la iha “assento” iha PN, oina? Ita hein de’it iha liur atu rona gosip! PR halo “audição previa”, la’os halo “decisão”.

4)   Ikus liu, PR sei “...ouvido o Conselho de Estado ...” (hanesan artigo 91o). PR “rona” de’it, hotu ona. La dehan katak PR tenki halo tuir. Ne’e problema boot tan fali ona, tan iha Conselho de Estado nia laran “compadre” ho “comadre” mak tur iha laran. Sira ko’alia saída de’it mos ita labele hafuhu husi janela kuak atu rona. Tan KRDTL dehan “As reuniões do Conselho de Estado não são publicas” (no 2). Ne’e?!

5)   Wainhira PR la hakat tuir 1-4, mak sei mosu “sob pena de inexistência jurídica do ato de dissolução, tendo em conta o disposto no artigo 100o”. PR labele dissolve PN, wainhira la la’o tuir dalan hirak ne’e. Maibe, AMP sei labele kokorek no kokotek husu “impeachment”, wainhira PR foti decisão ba eleição antecipada. Nune’e mos, Fretilin-PD labele mangame wainhira PR dehan la iha “subsequente eleições”.

Conclusão, katak, “normalmente” eleição antecipada ida mosu la’os tan Demissão do Governo, maibe Dissolução do Parlamento Nacional. Governo monu, ne’e “salah satu alasan”, la’os “satu-satunya alasan”. PN mak “bubar”, dalan único mak eleição antecipada. Githu lho, mas!!! Hau sai comissário tinan 6, no participa iha evento lubuk ida nacional ho internacional, hakerek livro no artigo ... hau seidauk hare processo eleição ba membro Governo nian, sa tan referendo ba programa governo. Referendo ba LPV bele; ba ZEESM bele; ba mega projecto Taci-Mane bele!

Constitucional patriotism”: Proposta ba Impasse!

Ba há’u, eleição antecipada sai hanesan vírus cancro ida ne’ebe estraga no halo “CULTURA DEMOCRATICA” iha Timor-Leste sei mate kotu kedas. Iha Lian-Makloken KRDTL nian dehan, “Plenamente conscientes da necessidade de se erigir uma cultura democrática e institucional própria de um Estado de Direito onde o respeito pela Constituição, pelas leis e pelas instituições democraticamente eleitas sejam a sua base inquestionável; ...”. Hanoin konaba “cultura democrática” ne’e ita labele haketak ho “representatividade democrática” no “oposição democrática” (artigo 70o).

Tan sa mak ita adopta tiha filosofia democracia nian ne’ebe furak tebes, maibe ita sobu hodi halimar de’it? Wainhira Xanana Gusmão kaer knar nu’udar Chefe do Governo, mosu bebeik liafuan “estado frágil” no “estado falhado”. Timor-Leste nia naran sai bo’ot iha estado frágil sira ne’e nia let, la’os tan ita mak di’ak liu maibe tan ita mak osan barak atu hami’ak rai seluk. Ita rasik fraco ida be fraco nian kedas. Exemplo mak agora mosu dada’uk, issue “eleição antecipada”.

Timor-Leste nia “cultura democrática” (la’os “regime democrático”) hatur lolos duni doutrina “patriotismo constitucional”. Há’u gosta saída mak Jürgen Habermas dehan, “... democratic citizenship need not be rooted in the national identity of a people. However, regardless of the diversity of different cultural forms of life, it does require that every citizen be socialized into a common political culture” (JH, Facts and Norms, 1996: 500). Atu ita bele sai cidadão democrático, ita nia hun no abut mak “... profundo sentimento, as aspirações e a fé em Deus do povo Timor-Leste” (preambulo KRDTL); “normas e os usos costumeiros” (art 2o n. 4); “Igreja católica” (art 11o n. 2); “confissões religiosas” (art 12o). Ita nia identidade nacional mos hatudu iha diversidade – husi Lorosa’e too Loromonu; taci-feto ba taci-mane; firaku-kaladi-baikenu. Rikusoi hirak ne’e mak halo Habermas hatudu katak ema ida-idak hatene hare Constituição nu’udar fatin ba “common political culture”.

Crise constitucional ne’ebe mosu agora, tan ita hakerek tiha buat furak iha surat tahan leten, maibe sai burado iha “common political culture”. Alias, iha tinan 22 nia laran ita restaura tiha independencia, ita la kaer KRDTL nu’udar solução ba problema “national identity” no “common political cultural”, maibe sai tiha fali problema nia hun no abut. Todan liu tan, ita nia camada intelectual lakohi ona ko’alia tuir sira nia matenek, maibe tuir sira nia politica no bisnis!

Proposta husi Habermas nian konaba “constitucional patriotism” bele ajuda ita atu labele sobu “cultura democrática” no halo rahun “oposição democrática”, liu husi eleição antecipada. Hamutuk ho Habermas, há’u identifica problema 3 iha “Estado frágil” (ne’ebe g7+ la mai Timor-Leste atu ajuda resolve), no ho kedas sugestão atu LABELE lalais tama ba ELEIÇÃO ANTECIPADA.

Problema dahuluk (1): iha Estado Frágil nia laran, lei ho ordem mak namlele! Ne’e duni “instituições eleitas” [tuir dalan democracia nian] lakon ninia monopólio atu usa força legitima atu protege Povo rasik, maibe hanesan atu halo Povo moris la hakmatek fali. Deputado/a sira ne’ebe ko’alia konaba “oposição constructivo” ka “oposição educativo” la foti programa Governo nian atu tetak no tempra didi’ak ho argumento intelectual, maibe kaer uluk ona “cartão mean” atu vota contra.  Husi hahu kedas ita hatudu ona katak “oposição democratica” ninia serviço mak atu “hatun governo”, no la’os tetak ho tempra programa governo.

Todan liu tan, ita nia matenek na’in sira fera ulun ba de’it artigo 106o (nomeação PM) no lakohi hateke ba artigo sira seluk atu ajuda malu. Ida ne’e dehan halakon tiha “justice as fairness” (John Rawls) no hamohu tiha “justeza politica” (Norberto Bobbio). Iha situação ida ne’e PN paralisado! Há’u hanoin oposição AMP husi hahu kedas hakarak hamonu duni PN – “dissolução antecipada”! Nune’e, PM Alkatiri (no, Fretilin) ko’alia bebeik hodi PR nia naran atu halo eleição antecipada. Iha biban seluk, Oposição AMP halo PN la funciona maibe sira tuda rai rahun ba Fretilin no PD, depois sira “fase liman” tiha hanesan Pilatos hasoru injustiça politica ne’ebe mosu dadaun. Ikus mai, há’u hare katak Oposição AMP agora tauk liu atu ba eleição antecipada. Nune’e iha facebook hahu “promosi” katak sira sibuk liu ba visita povo; sibuk ba visita instituição estado nian; sibuk atu hahu plenária; sibuk atu ba comissão parlamentar; ... sibuk iha fatin hotu wainhira sira hatene los ona katak PN paralisado.

Albert O. Hirschman hakerek artigo ida “Social Conflicts as Pillars of Democratic Market Society” (cf., Political Theory 22 [2], 1994) hodi hatudu situação ne’ebe nia hanaran “either-or” ka “non-divisible” nu’udar oposição ba situação “divisible” ka “more-or-less”. Há’u hanoin, ba Fretilin, CNRT, PLP, PD no KHUNTO bele tetu ida ne’e. Partido sira ne’e tuir lolos lalika sukat malu ho “divisible” (fahe malu fera malu) de’it, maibe koko halo compromisso politico. Husi comentário hirak ne’ebe Partido sira halo, ema bele hare momos no borus kedas katak Partido sira hatudu de’it “absolute unwillingness” (lakohi duni atu hatudu oin midar ba malu) atu halo compromisso.

Compromisso ba saída nian? Ema hotu hatene, to’o labarik sira iha escola primaria mos dehan, PPN no PM. KRDTL hatudu dalan momos hela “ouvidos os partidos políticos representados no Parlamento Nacional” (art. 106o; art. 85 alinea d]). Bispo Dom Basilio do Nascimento no “compadre” José Alexandre Gusmão bele fo hanoin ba “compadre” Dr. Mari Alkatiri. Maibe, ida ne’e la’os constitucional. Importante mak Presidente da República rona Partido sira iha PN nia laran – Fretilin, CNRT, PLP, PD ho KHUNTO. So Partido Politico sira de’it mak bele lori malu to’o iha “more-or-less” – mais ou menos – se mak sai PPN no PM.

Tan Alkatiri la’os mai husi partido hotu nia hakarak, liu-liu “comadre” sira iha CNRT ka PLP nia laran, nune’e mosu situação “either-or” – oposição lakohi Fretilin atu kaer ukun, ka, oposição lakohi Alkatiri atu sai PM? Buat ne’ebe ita bele hare husi liur, oposição halo “either-or”. Iha ne’e ita brani atu hili “the basic value of constitucional democracy” atu respeita “partido mais votado” (Fretilin) hamutuk ho PD hodi kaer Governo (la’os “minoria”, tan Ministro sira barak los), ka, “the normative aspects of the state” katak husik PN (iha ne’e mak ko’alia konaba “maioria parlamentar” art 106o) mak halo “decisão politica” (art 92o).

Halai hikas lalais mai atu husu eleição antecipada ne’e hatudu de’it katak ita nia “representatividade democratica” (art 70o) lakon ninia gosto! Alias, sira la hatene halo politica nu’udar “o arte do pensar e agir” (Aristoteles), ka “the art of expedience” (Isaias Berlin) maibe sobu tiha atu halo de’it politica sai “manutenção do poder” (Machiavelli; Thomas Hobbes). Ne’ebe, se Deputado/a no Partido 5 ne’e la iha capacidade no abilidade “literária” atu halo “decisão politica” (art 92o) iha PN nia laran, tan sa mak POVO tenki ba hili hikas fali sira?

Uluk iha FORUM MAUBISSE, líder sira hanesan Xanana, Alkatiri, Taur Matan Ruak, Ramos Horta, Lu-Olo, no José Luis Guterres ko’alia konaba transformação ba geração foun. Liu-liu na’in 5 oan ne’e: Xanana, Alkatiri no Ramos Horta hamutuk ho Lu-Olo no Taur Matan Ruak labele kedas resolve “oan sarani” sira iha PN (no, “comadre” sira), tan sa mak ita tenki gasta osan atu hili nafatin “OB” sira ne’e? Há’u concorda, se eleição antecipada ne’e atu ba hili “roupa foun”, la’os “roupa foer” ka roupa ne’ebe serve de’it iha “obralan”.

Tan sa? Problema daruak (2): capacidade ne’ebe fraco ka desintegrado hodi hatan ba Povo ninia necessidade ka Povo nia hakrak/ mehi, serviço publico ne’ebe parado, Povo ida-idak buka moris rasik no hein de’it bainhira mak Partido politico sira han bosu ka moris hakmatek.

Hau sente “desgraça” (ngeri), wainhira líder balun dehan ko’alia iha “campanha eleitoral” ita bele ko’alia saída de’it atu bele dada povo nia atenção no hetan poder, maibe tama ona iha poder mak partido sira halo “gestão” ba interesse. Barrata! Dehan, iha politica la iha amigo la iha inimigo maibe iha de’it interesse. Ba há’u, liafuan hirak ne’e rona ba “brutal” no “barbar”. Lae! Politica ne’e husi hun no abut kedas Aristoteles dehan “o arte do pensar e agir”. Ita nia KRDTL usa liafuan furak tebes “CULTURA DEMOCRATICA” ne’ebe sai ona “common political culture” (Habermas, Rawls, Bobbio), iha mundo rai-klaran ne’e.

Iha Estado frágil ida nia laran, liu-liu ninia “boss g7+” Timor-Leste, ita hasoru paradoxo boot ida “On the one hand, we look to constitucion in order to underpin the legitimacy of the new government by providing the popularly agreed-upon structure and values by which it governs. On the other hand, by importing identity question into the constitucional arena, we risk escalating the conflict rather than alleviating it” (cf., Aliza Belman & Hanna Lerner in D.W. Brinkerhoff, Governance in Post-Conflict Societies, 2007: 49). Hare husi ne’e, ita bele sukat katak eleição antecipada ne’e hanesan kokir tun sae KRDTL atu bele hetan ai-rin ba legitimidade ba Governo liu husi suporta popular. Ne’e los hela. Maibe, ita la hare “risk escalating the conflict”: la’os física (violência) maibe metafisica (pensamento intelectual)! Katak, ita taka matan ba “raison d’état” (razão do Estado), no buka haksesuk malu liu atu programa hirak ne’e bele “beneficia” empresário Partido nian. Ita hare momos katak iha PN, Deputado/a sira liu-liu AMP ko’alia bebeik konaba “sentido do Estado”, maibe la iha “sentimento do Povo”.

Há’u mak hanesan Fretilin no PD karik, husik ba Governo monu depois entrega hikas ba PR, depois PR forma VIII Governo. Fretilin no PD fila ba “oposição democratica”! Hare to’ok, AMP2 bele ukun tuir “cultura democratica” ka lae! Ba há’u, wainhira CNRT, PLP no KHUNTO mak ukun ne’e sei sai hanesan saída mak Taur Matan Ruak dehan, lori istilo GOLKAR. Tinan 10 (2007-2017) nia laran, GOLKAR mak ukun iha Timor-Leste. So what githu lho?! Hanesan ne’e Fretilin no PD bele sai “oposição educativo” ka “oposição constructivo”. Ho ida ne’e, ba eleição 2022, Fretilin ho PD bele ba ku’u kafe iha Ermera no kulu iha Baucau, ba fa’an iha território tomak ... “tula dikur ba malu, se book oli”!

Dala ida tan, ba há’u eleição antecipada ne’e husik hela kanek ida iha “cultura democratica” nia laran. Liu-liu tan KRDTL ita tesi-tun tesi-sae halo roupa aat ida hodi hatais ba festa democracia nian! Fretilin no PD, imi mesak mak bele SAVE THIS NATION ...!

Problema datoluk (3): Entidade sira ne’ebe representa Estado lu’ut metin de’it iha sira nia knuuk laran no la iha coragem atu ba hasoru Povo. Hodi liafuan seluk, ita nia “Sua Excelência” sira lakon sira nia credibilidade rasik; la fiar-an no patina iha fatin!

Favor ida hapara tiha “pencitraan” iha facebook, katak imi sae motor ba PN, ba visita eleitor no sibuk iha plenária atu foti lei anti-corrupcao.

Se há’u mak AMP karik, há’u sei ba hasoru hikas Fretilin no PD atu loke hikas negociação politica – “o arte do pensar e agir”; “the art of expedience”. Nicolau Lobato ninia liafuan furak tebes, “Muita dor de cabeça tem havido por causa de não se fazerem as devidas distinções. Neste assunto impõe-se ter um fino sentido de compreensão e discernimento político”. Partido 5 ne’e tama iha situação ne’ebe Nicolau Lobato dehan la hatene halo “devidas distinções”: ida ne’ebe mak los, ida ne’ebe mak sala; ida ne’ebe mak furak, ida ne’ebe mak feuk; ida ne’ebe mak di’ak ida ne’ebe mak at. Ba há’u, saída mak CNRT, PLP no KHUNTO halo hodi boikot ba buat hotu maibe la’os ho argumento racional, “fact and state of affair”, ne’e la’os “cultura democratica”. Oposição iha “direito”, no liu-liu “dever sagrado” atu foti “cartão mean” ... maibe, foti ho oin foti ho néon. La’os foti husi ain-tur. Governo Fretilin no PD bele monu, no monu duni ona. Maibe, AMP iha responsabilidade atu labele halo rahun PN.

Ba há’u, dala ida tan, AMP “dissolve” tiha ona PN (hahu ona husi eleição ba PPN, tuir mai foti hosi comissão maibe depois lakohi halo reunião; vota contra PPN) molok obriga Governo atu halo “demissão” (vota contra Programa no OR, nune’e labele ona halo OGE). PR iha tiha ona razão tomak atu foti decisão ba eleição antecipada.

Maibe, dala ida tan Nicolau Lobato nia liafuan, “Muita dor de cabeça tem havido por causa de não se fazerem as devidas distinções. Neste assunto impõe-se ter um fino sentido de compreensão e discernimento político”.



sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Ultrapassar o impasse político em nome do interesse nacional

Ultrapassar o impasse político em nome do interesse nacional

Por: Dionísio Babo Soares
*Eis Secretário Geral do CNRT (2007-2017) e atual Presidente do Conselho Directivo Nacional do CNRT (2017-2022).
Ao longo das últimas duas semanas, alguns membros do VII Governo, assim como vários membros dos diretórios partidários que o apoiam, vieram a público defender caminhos ou soluções possíveis para se ultrapassar o impasse político que atualmente se vive no nosso país.

As soluções apresentadas, que são incapazes de disfarçar que alguns responsáveis políticos se encontram agarrados, com todas as forças e sem legitimidade, ao poder, passariam pela manutenção do atual Governo em funções, pela formação de um novo Governo de inclusão ou de unidade nacional liderado pela FRETILIN ou, finalmente, pela dissolução do Parlamento Nacional e convocação de eleições legislativas antecipadas.

Estas opções apresentadas como soluções não o são verdadeiramente e visam, apenas, prolongar no tempo uma situação que deve ser rapidamente ultrapassada de forma a garantir a plena realização do interesse nacional de que alguns se arrogam únicos interpretes e guardiões. Analisaremos de forma objetiva cada uma das opções que se nos apresentam e procuraremos indagar acerca de possíveis caminhos alternativos que assegurem a defesa do interesse nacional da nossa amada Pátria.

A primeira opção que é apresentada ao público pelo VII Governo e pelos seus apoiantes passaria pela manutenção em funções do atual executivo e pela viabilização rápida de instrumentos fundamentais de governação como o Programa do Governo e o Orçamento Geral do Estado para 2018. Face ao atual quadro político-partidário esta opção deve ser considerada, no mínimo, ingénua para não ser qualificada como absurda.

Como é sabido, o atual Executivo conta com um apoio reduzido no Parlamento Nacional o que implica que, para conseguir viabilizar o seu Programa e os seus Orçamentos, o Primeiro-Ministro teria que adoptar uma postura de permanente diálogo e de abertura à negociação com os partidos da Oposição. Visto pelos seus antecedentes políticos, os actuais autores revelaram pouca capacidade de dialogar ou de negociar, no plano político, nem com os dirigentes dos demais partidos nem com as Bancadas Parlamentares que constituem a Oposição parlamentar.

Foi essa falta de capacidade negocial e de cultura de diálogo que conduziram os partidos do governo (a Fretilin e o Partido Democratico) ao reduto político em que se encontra e à dificuldade de estabelecer com os partidos políticos que formam a AMP acordos que possam viabilizar as suas políticas. Repare-se que a FRETILIN, enquanto partido mais votado, teve todas as oportunidades e espaço para negociar com todos os partidos políticos com representação parlamentar acordos que viabilizassem a formação de um Governo sustentado numa maioria parlamentar. Todos os partidos políticos, com exceção do PD declinaram apoiar a formação de um Governo liderado pela FRETILIN face à falta de clareza dos termos a acordar. 

Repare-se que, até à presente data, não se conhecem os termos do acordo político celebrado entre a FRETILIN e o PD e que, na prática, este último partido serve de muleta para disfarçar a posição de isolamento político em que a FRETILIN foi colocada pela inabilidade dos seus dirigentes.

Pela postura de recusa de diálogo que o VII Governo tem assumido, bem como pela personalidade do Chefe do Executivo dificilmente se poderá antever uma mudança de paradigma comportamental no que toca às relações do Governo com os partidos que formaram a AMP. Tal facto afasta a hipótese de se manter em funções o atual Governo com o apoio pontual da oposição para a viabilização de alguns dos seus documentos estruturantes, já que o Governo não dispõe de uma maioria parlamentar o que o obriga à realização de negociações que não quer realizar gerando-se ciclicamente um crescimento das tensões políticas no nosso país e o sentimento generalizado de incerteza e de instabilidade quanto ao nosso futuro coletivo. Admitir o contrário corresponderia a reconduzir a Oposição parlamentar a um papel meramente decorativo que nada tem que ver com a função que para a mesma é preconizada pelo nosso sistema de governo e que em nada prestigiaria a instituição parlamentar.

Assim, porque o VII Governo e quem o lidera não dispõe de uma maioria de apoio no Parlamento Nacional nem qualquer capacidade de diálogo e de negociação com a Oposição parlamentar e esta, consciente das suas responsabilidade político-constitucionais, recusar-se-á a assumir uma posição passiva face às políticas governamentais, não será difícil concluir que tal quadro conduzirá ciclicamente ao ressurgimento de tensões e polarizações no plano político, e eventualmente social, geradoras de incertezas e de instabilidade que nada contribuem para assegurar a continuação do processo de desenvolvimento do nosso País e, consequentemente, indesejáveis para a defesa do nosso interesse nacional. Esta opção deve, assim, ser descartada do quadro das soluções possíveis para ultrapassar o atual impasse político.

A segunda opção que por alguns foi apresentada como uma solução para o atual impasse político passaria pela formação de um Governo de grande inclusão ou de unidade nacional e, na versão de alguns, de iniciativa presidencial, liderado pela FRETILIN. Esta opção, que pretende manter no poder quem sem legitimidade política atualmente o exerce, também não é uma verdadeira solução já que parte do pressuposto que a clivagem atualmente existente entre os partidos que formam a AMP e a FRETILIN resulta de um problema de acesso ao poder ou de distribuição de posições no Governo.

Ora, nada poderia estar mais longe da verdade! O que separa os partidos da AMP da FRETILIN são questões políticas de princípio e questões de ordem programática. Se os partidos políticos que formam a AMP procurassem cadeiras no Governo poderiam tê-lo conseguido durante as negociações que foram sendo celebradas antes da indigitação do atual Chefe do Governo. O CNRT, o PLP e o KHUNTO foram convidados a integrar o VII Governo Constitucional e todos eles recusaram, reconhecendo que a estratégia negocial do dirigente principal do atual governo para a formação do VII Governo Constitucional era pouco clara e seria potencialmente geradora de tensões e de incertezas dificilmente ultrapassáveis durante o período da legislatura e que acabariam por ditar, mais cedo ou mais tarde, a derrocada do VII Governo Constitucional. Se tivessem aceitado integrar o Governo, o CNRT, o PLP e o KHUNTO serviriam, apenas, para legitimar a ficção política de um Governo de grande inclusão onde na prática tudo é decidido pelo Primeiro-Ministro quer na sua condição de Chefe do Executivo quer, ainda, na sua condição de Ministro do Desenvolvimento e da Reforma Institucional. Repare-se, de resto, na bizantina lei orgânica do VII Governo que prevê, nos seus artigos 6.o e 11.o, um total de 55 competências para o Primeiro Ministro e nenhuma competência para o Ministro de Estado e Conselheiro para a Segurança Nacional, para o Ministro da Presidência do Conselho de Ministro, para o Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro para a delimitação de fronteiras e para o Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro para os assuntos da governação. Esta opção é ainda mais desagradável quando confrontada com o facto de quatro Secretários de Estado disporem de competências de que os supra referidos Ministros não dispõem.

Este modelo de Governo afeiçoado à personalidade centralizadora do Primeiro-Ministro inviabiliza a formação de um Executivo de grande inclusão já que, sem prejuízo de poderem aceitar a supremacia política do Chefe do Executivo, nenhum ministro indicado pelo CNRT, pelo PLP ou pelo KHUNTO aceitaria reduzir-se à condição de mero ajudante do Primeiro-Ministro, sujeito às variações de humor e de estado de espírito deste.

A incerteza gerada quanto à perenidade de um Governo de grande inclusão ou de unidade nacional contribuiria para que se viesse a gerar incerteza e instabilidade política que, pelas razões que já tive oportunidade de expor, em nada contribuem para a defesa do interesse nacional.

A variação desta opção, consubstanciada na formação de um governo de grande inclusão ou de unidade nacional, mas de iniciativa presidencial, também não pode ser considerada como solução, já que a alínea d) do artigo 85.o e o n.o 1, do artigo 106.o, ambos, da Constituição são absolutamente claros na exclusão da formação de Governos de iniciativa presidencial, na medida em que limitam a nomeação do Primeiro-Ministro, pelo Presidente da República, à personalidade que lhe seja indigitada pelo partido mais votado ou pela Aliança de Maioria Parlamentar. Não beneficiando de qualquer amparo constitucional, esta opção não pode ser considerada como uma verdadeira solução já que qualquer solução para o atual impasse político tem submeter-se ao marco constitucional vigente, sob pena de ser inadmissível e de gerar potenciais problemas futuros.

A última das opções apresentadas como a panaceia para o atual impasse político consiste na dissolução do Parlamento Nacional e convocação de eleições antecipadas. Esta que é a solução preferida pelo Primeiro-Ministro (nem tanto pela FRETILIN que tem maior realismo) e baseia-se na fantasia de que o eleitorado se mobilizará emocionalmente contra os partidos da AMP e concederão a maioria absoluta à FRETILIN. Esta opção não é uma verdadeira solução porque não é conforme à Constituição, porque o desfecho é objetivamente imprevisível e porque implicará que o nosso Estado fique sem Orçamento Geral do Estado até Junho ou Julho dependendo da data da eleição e do tempo necessário para a formação de um novo Governo.

Na medida em que a realização de eleições antecipadas implica a dissolução prévia do Parlamento Nacional, não pode deixar de se referir que o exercício do poder de dissolução parlamentar pelo Presidente da República implica que se respeitem os limites materiais que a Lei Fundamental impõe para esse efeito ao Chefe de Estado, nomeadamente que se verifique uma grave crise institucional. Ora, a situação política atual poder ser qualificada como um impasse político e não como uma grave crise institucional, já que a demissão do VII Governo e a formação de um VIII Governo Constitucional liderado pela AMP permitirá a rápida aprovação de um Programa de Governo e de um Orçamento Geral do Estado para 2018.

O atual impasse político não resulta da incapacidade do Parlamento Nacional funcionar, mas antes da obstinação do seu Presidente e do Primeiro-Ministro se agarrarem ao poder, não se demitindo e impedindo que se abra um novo ciclo político. A destituição do Presidente do Parlamento Nacional e a demissão do Governo normalizarão o funcionamento do nosso sistema de governo e permitirão que os atuais órgãos de soberania de base eletiva concluam os seus respetivos mandatos de acordo com o calendário constitucional. Assim, tratando-se a atual situação de um impasse político e não de uma grave crise institucional não se verificam quaisquer fundamentos para que se possam considerar respeitados os limites materiais constitucionalmente estabelecidos para o exercício do poder presidencial de dissolução do Parlamento Nacional.

Reconhecemos os esforços que recentemente têm sido feitos pelo Governo e pela FRETILIN no sentido de questionar a solidez e unidade dos partidos que formam a AMP, na vã esperança de dar ao Presidente da República os fundamentos de que este carece para poder dissolver o Parlamento Nacional sem violar a alínea f) do artigo 86.o da Constituição. A lógica tem tanto de simples como de absurda e consiste no seguinte: se o Presidente da República não é obrigado a nomear um Governo liderado pela AMP se considerar que a plataforma política desta e a sua consistência são frágeis, então, não se podendo formar um novo Governo a partir do atual quadro parlamentar, verifica-se dessa forma a grave crise institucional exigida para que o Parlamento Nacional possa ser dissolvido.

Contudo, apesar de não ser obrigado a nomear e a empossar um VIII Governo formado pela AMP, o Presidente da República está obrigado, por imperativos de democracia e de transparência, a informar o nosso Povo acerca dos critérios que utilizou para chegar a tal conclusão. Se não o fizer, ficará eternamente manchado pela suspeita de ter dissolvido o Parlamento Nacional para cumprir as orientações e executar a estratégia do partido em que ainda milita.

Para além de não se conformar com a nossa Lei Fundamental, a dissolução do Parlamento Nacional implicaria a realização, no prazo de sessenta dias, de eleições legislativas. Apesar do uso do lugar comum de que “esta será a solução mais democrática”, ninguém consegue objetivamente explicar porque razão, em apenas oito meses, os resultados eleitorais (e decorrente distribuição de mandatos no Parlamento Nacional) serão diferentes daqueles que se apuraram em Julho último. Há pouco tempo algumas personalidades aludiram à normalidade da realização de eleições antecipadas dando como exemplos Espanha e Itália, no entanto, esqueceram-se de dizer ao Povo que, no caso espanhol, as eleições antecipadas não conduziram a uma alteração significativa da relação de forças dos partidos representados no Parlamento e não contribuíram para solucionar o impasse político então verificado naquele país. Convocar eleições antecipadas mais não será do que um passo no escuro que nos poderá devolver ao impasse que atualmente se verifica e paralisando, por quase um ano, o funcionamento do nosso Estado. Dificilmente se acreditará que esta incerteza associada a esta consequência objetiva concorrerá para a realização do nosso interesse nacional.

A opção de dissolução do Parlamento e a realização de eleições antecipadas não pode, ainda, ser considerada como solução para o atual impasse político porque implicará que o nosso Estado só disponha de um Programa do Governo e de um Orçamento Geral do Estado para 2018 depois da realização de eleições e da formação do VIII Governo Constitucional. Não podem deixar, ainda, de ser ponderadas as consequências, para a nossa economia e para o nosso desenvolvimento nacional, resultantes da demora na aprovação do Orçamento Geral do Estado para 2018 e que poderá conduzir à paralisação da normal prestação de bens e serviços aos nossos concidadãos. Estas consequências não podem deixar de ser tidas em consideração na formação da decisão que vier a ser tomada relativamente à convocação ou não convocação de eleições antecipadas. Não se compreenderá como é poderá considerar-se acautelado o interesse nacional com o retardamento da aprovação do Programa do Governo e do Orçamento Geral do Estado para 2018, pelo que também por este motivo se refuta a ideia de que esta opção constitui uma verdadeira solução para o atual impasse político.

Para além de se dever pautar por critérios de respeito pela constitucionalidade e pela fidelidade aos compromissos assumidos perante os eleitores, os decisores políticos devem procurar soluções políticas para os desafios que vamos enfrentando que procurem defender o interesse nacional. Se forem verdadeiramente fiéis a estes princípios, os políticos responsáveis por solucionar o atual impasse político devem usar de bom senso e concluir o que já todo o Povo concluiu, isto é, que a única solução política que respeita a Constituição, respeita a vontade dos eleitores e serve o interesse nacional consiste na formação de um VIII Governo Constitucional, com base na AMP, de forma a garantir que o nosso Estado disporá, até ao final da primeira quinzena de fevereiro, de um Programa do Governo, de uma Lei Orgânica do Governo e de um Orçamento Geral do Estado para 2018.

Se o Presidente da República pretender efetivamente defender o nosso interesse nacional não pode tomar outra decisão que não seja esta para solucionar o impasse político que atualmente vivemos, devolvendo o funcionamento do nosso sistema de governo à normalidade democrática e a nossa economia ao caminho da prosperidade.

*Eis Secretário Geral do CNRT (2007-2017) e atual Presidente do Conselho Directivo Nacional do CNRT (2017-2022).

Publicado no Jornal Timor Post, 09/01/2018

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

PD ho FRETILIN prepara dadaun entendimentu ba Eleisaun Antecipada

Foto espesial 13.09.2017, CCF!
Dili. Eleisaun Antecipada (EA) nudar realidade ida ne´ebe mak labele ses, tanba tuir Konstituisaun RDTL mos prevê hela konaba ida ne´e. Wainhira VII Governo Konstitusional apresenta Programa ba dala rua la passa, Governo monu no loke dalan ba EA, maske husi Oposisaun Maioria Parlamentar (OMP) ne´ebe kompostu husi Partido 3 (CNRT, PLP no KHUNTO) kontrola Parlamento Nacional (PN) no forma ona Aliança Maioria Parlamentar (AMP) apresenta ona alternativa politika ba forma VIII Governo Konstitusional. Liu husi konferensia Imprensa iha uma fukun PN Terça-feira ne´e (09/01/2018), Bloko AMP prontu ba forma VIII Governo Konstitusional:

(...) "AMP Prontu fo solusaun ba situasaun politika nasional a. Formasaun VIII Governu Konstitusional

Problema impasse politiku neebe akontese dadauk nee tanba governu minoriatario laiha apoiu maioria parlamentar. AMP mak iha kondisoens hodi garante estabilidade governativa nuudar xave ba prosesu dezenvolvimentu nasional. AMP komprometidu atu fo solusaun lalais ba funsionamentu estadu ba povu nia moris, liu husi:

1. Formasaun governu;
2. Aprovasaun programa neebe diak liu ba povu;
3. Aprovasaun Dekretu Lei kona-ba organika governu;
4. Aprovasaun Orsamentu Jeral Estadu 2018.

AMP kompremetidu atu finaliza prosesu sira iha leten, másimu fulan ida nia laran  (in Cnrt media center, 09/01/2018)´´.
Husi parte Partido Governo nian liu husi Sekretariu Jeral Partido FRETILIN no Prezidente Partido Democratico (PD), prontu ba Eleisaun Antecipada.

Sekretariu Jeral Partido FRETILIN, Dr. Mari Alkatiri haktuir liu husi programa Grande Entrevista GMN TV nian katak, "FRETILIN prontu ba EA no prontu 100% ba EA (in GMNTV, 28/12/2017 )".

Iha Parte seluk, Presidente PD Eng.Mariano Asanami Sabino, afimar, "PD prontu ba Eleisaun Antecipada (in STL, 23/10/2017)".

Iha sorin seluk, observador Politika João Viegas husi UNPAZ, ható ninia ponto de vista katak, "PD ho FRETILIN preparadu liu ba EA do ke Partido sira AMP".

Haktuir tan João Viegas, "desde ke Programa VII Governo Constitucional no Orçamento Ratifikativo  AMP  la aprova iha Parlamento Nacional husi parte partido 3 ne´ebe kontrola Parlamento Nacional ho kadeira 35. Partido 2 (FRETILIN ho PD) hetan apresiasaun husi eleitores sira tanba programa no OR atu responde ba necesidade povo nian".

Tenik tan João Viegas, "FRETILIN ho PD, preparado liu no halo ona kampane ba elietores sira konaba programa no tau ás preokupasaun ba povu nia moris".

Tuir informasaun ne'ebe mak Forum Haksesuk hetan husi Sekretariadu konjunta Partido 2 (FRETILIN ho PD) katak, "lideransa partido rua hahu ona haksesuk malu konaba entendimentu ba Eleisaun Antecipada". Hatutan fonte ne'e, "partido 2 sei ba fan programa hanesan baseia ba Programa VII Governo Konstitusional ne´ebe elabora ho base ba matriz 3 mak: PED 2011/30; kontinuasaun Programa VI Governo Konstitusional no programa eleitoral partido rua nian".

Fontes:
1) Grande Entrevista Dr. Mari Alkatiri, in GMN TV , Quinta-feira (28/12/2017)
(https://www.youtube.com/watch?v=MO8__5JsLrs&feature=youtu.be)
2) PD- FRETILIN proto ba Eleisaun Antecipada
http://suara-timor-lorosae.com/pd-fretilin-prontu-ba-eleisaun-antisipada/ 

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

AMP la aprova OR, agora mai uja argumentu dehan osan la iha hadia povo nia moris

Konferensia Imprensa bankada OMP, 09.01.2018 (foto:cnrtmedia center)
Dili. Oposisaun Maioria Parlamentar (OMP) rejeita Orçamento Retificativo (OR) ho karakter urjente no rekursus ba OR ne'ebe aprova iha loron 19 de Dezembro tinan 2017 ho votos 35 husi OMP/AMP, kontra 5 husi meja Parlamento Nacional (PN) no  walk out husi Bankada Koligasaun (FRETILIN ho PD).

Razaun Governo hatama OR tanba atu buka solusaun ba problema sira ne'ebe povu hasoru hanesan tusan ba selu hospital sira iha rai liur, Singapore, Indonesia (Bali no surabaya), osan ba selu profesores sira, ba selu kompania sira.

Iha Terça-feira (09/01/2018) OMP/AMP liu husi Konferensia Imprensa haktuir katak,la simu Eleisaun Antecipada (EA) tanba ho razaun sira hanesan:

"La iha OGE 2018 hodi sustenta povu nia moris, liu husi: salariu ba funsionariu públiku, PNTL, F-FDTL, Veteranus, Idozus, selu projetu sira, etc. durante tinan 2018 (cnrt Media center, 09/01/2018)".

Konaba ida João Viegas, observador Politika husi UNPAZ haktuir katak, "argumenta OMP/AMP nian la ses husi argumentu Governu da hitu nian (VII) wainhira apresenta OR, maibe OMP/AMP rasik mak rejeita".

Haktuir tan João Viegas, "oinsa mak OMP/AMP bele iha autoridade moral atu dehan osan ba sustenta funcionarius Publiku, F-FDTL, PNTL no seluk tan, enquantu sira rasik vota kontra OR dehan laos urjente no la importante?",  kestiona João Viegas  dosente UNPAZ ne´e ho ironia.

Fonte: CNRT Media Center, 09.01.2018!